sábado, 29 de julho de 2006

Posts avulsos

I
Gajas... A minha vida é só gajas.
Os meus amigos têm inveja de mim. Imaginam que é fácil. Não é, caralho !
Por cada gaja com um mínimo de testa, esbarro com uma centena de malucas neuróticas.
Vocês sabem lá o que custa aturar malucas. Gajas que ninguém as compreende. Os maridos, coitados, não as entendem. Os filhos, malucos (sairam a elas) só dão chatices em casa e problemas na escola.
Há gajas que nem elas próprias se compreendem. E depois, o Bino que as ature.
Bem sei que vivo à custa de mulheres, mas mesmo assim... Foda-se, eu não sou psiquiatra ! Vão chatear o Machado Vaz e deixem-me sossegado.

II
Quem não conhece as mulheres ( como eu conheço ) não imagina o drama que representa ter de escolher entre um verniz para as unhas côr branco leite e um vermelho sangue de boi. É evidente que uma gaja que hesita entre duas cores tão distintas inevitavelmente sofre de graves perturbações. Infelizmente isto acontece com 69% das mulheres portuguesas que pintam as unhas. Trata-se do síndroma de Bino, uma doença ainda não reconhecida pelo Ministério da Saúde, mas que é grave e para a qual ainda não existe tratamento (se bem que fazerem-me uma mamada, era capaz de aliviar, pelo menos a mim).

III
Sei lá, isto de passar o dia a falar com mulheres, centenas delas, um dia pode vir a fazer mal.
Se bem que, por enquanto, ainda não perdi o tesão. Mas também já tive mais. Recordo-me que aos 18 anos... bem, esqueçam.
Ou então, não. Falemos disso.
Olhem, recordo-me que aos 18 anos andava sempre entesado. Mas durante o acto, durava pouco. Eram 3 bombadas e vinha-me logo. Se bem que ficava logo pronto para a segunda volta.
Agora é diferente, aos 44 o meu pipi, dura... dura.
E depois, a experiência também joga a favor do Bino quarentão. A taras ficaram mais refinadas e a corrida que era de 100 metros agora transformou-se numa longa e gostosa maratona. Então, não é bom ? Claro que é :)

IV
Em criança detestava usar sandálias ou chinelos. Hoje, simplesmente não uso esse tipo de calçado. É sempre sapatos com peúgas, excepto quando vou à praia.
Confesso que, na época do Verão, costumo reparar nos pés das pessoas. Admito existir algo que me incomoda e ao mesmo tempo atrai nos pés das pessoas. Embora a repugnância seja maior que a atracção.
Um dia, se eu for realizador de filmes pornográficos ( o que ainda não perdi a esperança ) podem crer que todas as performers hão-de foder calçadas.
Chinelos e sandálias é algo que relaciono com paneleiragem. Se repararem, os paneleiros têm grande tendência para mostrar os pés. Talvez seja essa a raiz da minha aversão. Sei lá...

V
Filmes pornográficos...
Haverá gajo em Portugal que já tenha visto mais filmes do que eu ? Só tirando o Barradas e mesmo assim, não sei.
A minha preferência ia (vai) para a produção europeia, em particular dos anos 70. Tratava-se de filmes com muito de experimental e bastante doses de originalidade. Infelizmente a maioria do que conseguia ver eram produções americanas, made in San Fernando, Califórnia.
As "americanadas" como lhes chamava, basicamente consistiam em repetir exaustivamente: um homem e uma mulher ( broche, minete, penetração vaginal, esporradela no rosto e pronto, tava feito).
O mais irritante nos filmes actuais são a tentativa parola de querer que as estrelas porno representem como se fossem actores a sério.
Mas quando realizar os meus filmes pornográficos, a primeira coisa que vou dizer às gajas será: a menina não geme, ok ? Só se lhe doer o cu.
Mania que elas têm de gemer...

VI
Barradas e Muralha, viciados em pornografia videográfica, já tinham visto e revisto todos as cassettes porno existentes no clube de video do qual eram sócios.
Mas porque o vício era mais forte, excepcionalmente dispuseram-se a alugar um outro tipo de filme fora do que era habitual.
Enquanto escolhiam, naturalmente rejeitaram comédias românticas, dramas, terror, acção e aventura.
Finalmente, depois de muito procurarem, a dúvida recaiu entre dois títulos. Mas qual deles alugar ?
Deveriam levar "Os homens preferem os homens" ou "Oasis Gay ?"
Não foi necessário. Perto deles estava um indivíduo que, apercebendo-se da dúvida, teve a triste ideia de dar a sua opinião "especializada" para ajudar Barradas e Muralha.
Digo que foi uma triste ideia porque a reacção de Barradas e Muralha à tentativa de ajuda foi imediata e brutal. Originou, no tal indivíduo, inúmeros traumatismos e nódoas negras.
Barradas e Muralha foram proibidos de voltar àquele clube de video. Mas antes isso que fama de rabetas.
Coincidência, ou não, 4 meses depois o clube faliu.

VII
Quanto mais conheço as mulheres, mais admiro a minha Meka.
Senão, vejamos:
Ganha mais dinheiro que eu.
Trabalha mais em casa que eu.
Deixa-me mexer no comando da TV.
Consegue passar mais de 30 minutos sem falar.
Não tenta perceber de futebol.
Conduz melhor que eu.
Não me chateia os cornos.
Não gosta de computadores.
Não é histérica, nem problemática.
Ri-se com os meus disparates.
Não se enfarda em comida.
Não se embebeda.
Não passa horas infinitas no telefone.
Quando vamos à Zara decide o que quer em tempo record.
Depila-se de Verão e de Inverno.
Usa lingerie decente (sexy).
Não fuma, faz desporto.

Para ser perfeita só preciso de convencê-la que fazer sexo 3 vezes ao dia é uma óptima forma de exercício físico (mas ainda não perdi a esperança).

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial