domingo, 28 de janeiro de 2007

O meu Natal foi assim.

A sério que tenho pena dessa malta lisboeta que não tem uma terra onde ir passar o Natal.
Recordo com saudade os meus tempos de emigrante, quando regressava por breves dias ao nosso querido Portugal, nas férias do Verão e no Natal.
Não existe maior felicidade do que andar pelo estrangeiro e regressar depois à pátria.
Quando regressei de vez e casei com a Mekinha, quase me tornei lisboeta ( eu é que não quis). Isto porque ela é destas bandas e, não querendo mudar-se para a província, vim eu morar para os arredores da capital (mais concretamente para a margem sul, num luxuoso bairro da 34ª melhor cidade portuguesa para se viver).
No entanto, o meu contacto com as avenidas mais largas, os prédios mais altos e os maiores centros comerciais de Portugal não conseguiu apagar em mim o sentimento de saudade pelos tempos da emigração. De tal maneira que quando vou a Estremoz, aproveito para ir até Badajoz de propósito, só para sentir novamente o prazer de regressar a Portugal.
E também a moderna Lisboa, com as suas longas filas de trânsito, não me fez esquecer a linda aldeia beirã onde fui feito. Continuo a ser o homem simples e humilde que um dia partiu mundo fora, apesar dos ambientes sofisticados que tive a sorte de conhecer.
Portanto, como bom português fiel às minhas raízes, quando chega o Natal lá vou eu com o resto da família, rumo ao Norte a caminho da terra, passar a consoada e matar o porco.
Então, no sábado, fomos de viagem (eu, a Meka e as nossas duas filhotas) a ripar de carro, Ribatejo acima, eram umas 8 e meia da noite.
Porto Alto, Samora Correia, Benavente...
Parámos na Chamusca, no restaurante da ponte.
Caraças, deixei o carro mal travado, descaiu e começou a recuar sozinho. Por sorte ainda consegui voltar a entrar e jogar as mãos ao travão de mão. Antes que muito mal acontecesse, parou na rotunda. Meu rico carrinho que se podia ter amachucado todo.
Depois do susto, fomos comer. Folhados de queijo e Ice Tea para elas, sandes de fiambre e Sumol de laranja para mim.
Voltámos à estrada. As pequenitas entretanto, adormeceram. Chegámos finalmente à terra já depois da meia noite.
Foi só o tempo de tirar a bagagem do carro e deitar as meninas. A Meka ficou sentada à lareira a conversar com as mulheres da família e eu pirei-me com os meus irmãos para o largo da Igreja. Todos os anos o pessoal da terra faz uma fogueira com troncos de oliveira tão grossos que ardem vários dias, para a malta não ter frio. Até dá para assar febras e morcela nova nas brasas.
Pronto, isto já se sabe, a malta junta-se. Uns vivem lá, mas também há os que vêm da França ou da Alemanha, outros da Suiça e muitos de Lisboa.
Vamos comendo e bebendo enquanto conversamos. As horas vão passando. Aos poucos a maioria vai-se embora, dormir. Mas há sempre meia dúzia de resistentes que insiste em permanecer junto à fogueira.
Deviam ser umas 2 da manhã, acho que foi o Bino mais velho que desafiou a malta para irmos roubar um bichinho de 4 patas (leia-se coelho).
Onde, a quem e como ? Em poucos minutos de discussão, o Chico, notável especialista nestas coisas de gamar criação, já tinha um plano aparentemente infalível.
Com o Chico ao comando das operações, fomos a pé em grupo compacto. Éramos uns sete, descendo a ladeira, direitos ao casal de baixo (local onde iríamos cometer o roubo).
Chegámos ao largo do jogo, onde costumam fazer um presépio em tamanho natural. No silêncio da noite, ouvimos barulho. Parámos à escuta, era como como se alguém ressonasse. Olhámos melhor e então, descobrimos o Tonho Gato no presépio. Perdido de bêbado, tinha ido deitar-se a dormir entre as palhinhas, no lugar do menino Jesus.
Achámos escandaloso. Que fazer àquele cabrão ? Jogamos-lhe pedrada ou água do bebedouro em cima ? Àgua não, urina sim. O Chico queria ir lá mijar-lhe em cima.
Mas as coisas acabaram por precipitar-se noutro sentido. Tinhamos decidido fazer-lhe uma salga. Agarrámos o gajo e conseguimos tirar-lhe as calças. Mas no derradeiro momento, quando ficou sem cuecas parámos estupefactos como que fulminados por um raio.
Como é sabido, nós beirões, somos uma malta excepcionalmente bem aviada de orgão sexual. Mas o Gato, cuidado. Aquilo dele é um abuso em qualquer parte do mundo, até em Àfrica.
Aproveitando a pequena hesitação, o Gato conseguiu escapar-se de nós. Desatou a correr para casa dele. Refeitos do susto, ainda tentámos agarrá-lo novamente. Porém recuámos rapidamente quando verificámos que os gritos do Tonho Gato tinham chamado a atenção dum grupo de pessoas que estava num velório na capela mortuária, que é mesmo ali junto ao largo e que sairam para a rua ver o que se passava.
Alguns homens que estavam no velório viram tudo, mas consta que conseguiram fechar a porta da casa mortuária a tempo de evitar que as mulheres saissem para a rua e vissem o Tonho Gato correndo nú da cintura para baixo, com o bacamarte exposto.
Virámos costas e então, também nós corremos, mas em sentido inverso do Gato, para não sermos reconhecidos.
Só parámos no Casal de Baixo, mas já não apetecia coelho. Sem mais conversa, dispersámos, cada um para sua casa.
No dia seguinte, cheio de vergonha que me tivessem reconhecido, achei que era meu dever, como penitência, ir ao funeral da ti Maria de Jesus, querida velhinha falecida com 96 anos, de quem eu gostava muito. Que Deus a tenha em descanso.
O meus irmãos também foram ao funeral. Ali, e depois, durante o resto do dia, por toda a aldeia, ouvimos as pessoas fazerem conversa acerca do sucedido na noite anterior. Mas para nosso alívio ninguém avançava nomes. Acima de tudo, o assunto centrava-se em considerações acerca do tamanho avantajado do Tonho Gato (e também, que tinha sido chamado o 112, tendo uma pessoa ido de ambulância para o Hospital de Abrantes).
Felizmente, ninguém parecia interessado em saber quem seriam os malandros que o tinham despido. Assunto sobre o qual, o próprio Gato mantinha absoluto silêncio, recusando-se a fornecer qualquer nome.
À noite, mesmo assim, sentindo a minha consciência ainda algo pesada por termos perturbado o velório, cometi um facto quase inédito: fui também à missa do Galo.
...No entanto, não tive coragem de ir beijar os pés ao menino Jesus.
Porque uma das minhas maiores frustrações aqui, prende-se com o facto de parecer que muita gente não acredita na veracidade dos meu posts, sempre que possivel passarei a publicar imagens, videos ou sons. Como forma de comprovar o quanto são verdadeiros os meus relatos.

Etiquetas:

9 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

Calma aí, eu não. Vítima de semelhantes acusaçõs, sou soli dário contigo a 200%
Se há pessoa em que eu acredito plenamente és tu, juro pela tua felicidade e sejas ceguinho se me engano.
Tento explicar à malta que basta pensar e já aconteceu, olham pra mim com um sorriso de quem os está a foder.

Venham de lá as histórias, que não são histórias, mais os videos a música e os cheirinhos.
Um abraço.

28/01/2007, 12:15:00  
Blogger Bi disse...

Acredito em ti Bino, longe de mim duvidar da tua palavra.
Já agora, permite-me um pedido um tanto ou quanto ousado ... será que é desta que vamos ver uma foto tua? A curiosidade é muita ;)

28/01/2007, 22:33:00  
Blogger Mikas disse...

Opá eu acredito em ti, tás a morar em que zona? Morei até aos 16 em Fernão Ferro (últimos 3 na Torre da Marinha)

29/01/2007, 12:46:00  
Anonymous Talk Talk disse...

"num luxuoso bairro da 34ª melhor cidade portuguesa para se viver"

Eheheheh. Eles não foram justos com este 34º lugar... mas pronto, sempre se ficou à frente da Amadora!

Um abraço

29/01/2007, 14:48:00  
Anonymous xs disse...

Bino, o meu passado (negro), na Policia do Exercito, faz-me duvidar dos factos:
1- Na minha terra, qualquer individuo possuidor de um tirante com mais de 15 cm chama-se Tonho o Elefante ou Tonho Giboia nunca Tonho Gato;
2- Na foto podemos ver que a casa mortuária fica para cima em relação ao presépio, ora qualquer individuo, influenciado pelo alcool e com o centro de gravidade deslocado para a frente, tem a tendência a descer e não subir;
3- tentares convencer-nos que Noite de Natal, sete marmanjolas na flor da idade, decidem ir gamar coelhos.....
Por tudo isto serás intimado a prestar declarações na PJ ainda não sei se no âmbito do processo apito dourado ou da casa pia.

31/01/2007, 12:30:00  
Blogger Carlos Barros disse...

ainda não percebi...se...mas há coisas que me dizem que...que pode ser mas talvez nem por isso..a micas tem razão e com isso...acho que há aqui passados duvidos...eu não voto..mas se votasse..bebia dois copos de tinto e dizia:
Bino amigo o povo está contigo"..
e ai continuava a pensar..se dois dias depois não seria melhor representar em função de coisa alguma...pois é neste pais conversa-se sobre tudo e sobre nada ..mas continuo a achar que a micas tem razão.....

abraço

31/01/2007, 21:11:00  
Blogger O Restaurador disse...

É com a maior felicidade, com a maior das honras e o maior dos orgulhos que declaro oficialmente aberta a votação para as 7 Maravilhas de Vila Viçosa.

Esta é uma organização do Terras de Mármore que está a ter o apoio do blogues individuais dos autores do Terras de Mármore: A Interpretação do Tempo, Calipole - Vila Viçosa - Princesa do Alentejo, INFOCALIPO, Intervisão, O Restaurador da Independência e Tomar Partido; assim como dos blogues e sites Calipolenses: Daniel Moreira, Grupo Desportivo Bairrense, Neste Meu Alentejo, O Blog de São Romão, O Calipolense Taurino e o Partido Socialista de Vila Viçosa.

Contamos também com o apoio oficial da Associação Juvenil Doutor Jardim e do Grupo Desportivo Bairrense, assim como estamos actualmente em contactos com a Câmara Municipal de Vila Viçosa, Junta de Freguesia de Conceição e Junta de Freguesia de São Bartolomeu, tendo-se mostrado bastante interessadas em cooperar connosco.

Da lista original de 61 monumentos do Concelho de Vila Viçosa, chegam agora à votação final 21 monumentos. Estão representados Vila Viçosa, Pardais e São Romão, não tendo Bencatel nenhum representante nesta lista final. São 21 monumentos que poderão encontrar detalhadamente na barra lateral deste blogue, clicando em cada um para poderem aceder à sua descrição e às suas imagens. Após ter escolhidos os seus 7 monumentos preferidos, envie um e-mail para orestaurador@gmail.com ou terrasdemarmore@sapo.pt indicando o seu nome, a sua localidade e os 7 monumentos que acha que merecem que sejam consagrados como as 7 Maravilhas de Vila Viçosa. Tarefa dificil, nós sabemos.

Cada pessoa poderá apenas votar uma vez, e os resultados das 7 Maravilhas de Vila Viçosa irão ser divulgados no dia 7 de Julho de 2007, em simultâneo com as 7 Novas Maravilhas do Mundo e com as 7 Maravilhas de Portugal. E falando em 7 Maravilhas de Portugal, já votou no Paço Ducal de Vila Viçosa para as 7 Maravilhas de Portugal? Se ainda não o fez, aproveite para votar no site das 7 Maravilhas de Portugal.

Iremos também ter mais iniciativas no âmbito das 7 Maravilhas de Vila Viçosa e das 7 Maravilhas de Portugal que iremos divulgar aqui e nos blogues de apoio atempadamente. E todos vós estão desde já convidados a participar!

Vila Viçosa terra de tradições, história e património, une-se deste modo à votação do Paço Ducal de Vila Viçosa para as 7 Maravilhas de Portugal. Uma das mais belas vilas de Portugal, fulcral no decorrer da história de Portugal, sendo o Rei Restaurador da Independência, D. João IV, natural de Vila Viçosa, assim como muitas outras personalidades portuguesas como D. Catarina de Bragança, Florbela Espanca, Henrique Pousão, Públia Hortênsia de Castro, Bento de Jesus Caraça, Martim Afonso de Sousa Cristóvão de Brito Pereira, D. Constatino de Bragança, Artur Bívar, Túlio Espanca, Nuno Portas entre muitos outros... Venha até Vila Viçosa e faça o roteiro das Maravilhas de Vila Viçosa, visite os 21 candidatos e depois vote nos 7 candidatos seus preferidos. Verá que não se irá arrepender, pois como se canta em Vila Viçosa "... e não há tenho a certeza, terra com tanta beleza, como tem Vila Viçosa!"

Deixo-vos agora a listagem dos 21 finalistas:

* Anta dos Apóstolos (Pardais)
* Capela Real
* Castelo e Torre de Menagem de Vila Viçosa
* Convento dos Capuchos
* Convento e Igreja da Esperança
* Convento e Igreja das Chagas
* Convento e Igreja dos Agostinhos
* Estação Ferroviária de Vila Viçosa
* Estátua Equestre D. João IV
* Fonte da Praça (antiga Fonte do Carrascal)
* Igreja de Nossa Senhora da Lapa
* Igreja de Nossa Senhora da Piedade
* Igreja de São Bartolomeu
* Paço Ducal de Vila Viçosa
* Pelourinho de Vila Viçosa
* Ponte Romana
* Porta do Nó ou Porta da Vila
* Porta dos Nós
* Santuário de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa
* Tapada Real
* Terreiro do Paço

Senhoras e Senhores, os Monumentos estão lançados, podem começar a votar!!!

02/02/2007, 09:21:00  
Blogger Pong disse...

Sempre acreditei em ti... sou fã pa. Nº1 ... estoy en Valencia ;)

02/02/2007, 18:57:00  
Blogger heidy disse...

Eu preciso é de GPS. lol Com tanta terra acima e abaixo... perdi-me. lol Gamar coelhos na noite santa... shame on you. lol Vai já rezar (de joelhos e a pronunciar bem as rezas) um terço inteiro. Ide ide...

besus for the cat

13/02/2007, 17:24:00  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial